17.1.14

O City Tour em Cusco

Estando em Cusco, decidimos organizar nossos passeios de modo que fossemos descobrindo os sítios arqueológicos progressivamente e que a cada visita saíssemos mais impressionados com o que tínhamos visto. Assim, planejamos que faríamos primeiro o city tour, depois o passeio pelo vale sagrado e Machu Picchu seria o Gran Finale. Deu tudo certo e cada um desses nos deixou boquiabertos com a beleza e com a cultura Inca e sempre com expectativas para os passeios seguintes, pois sabíamos que seria melhor que o anterior (tínhamos na cabeça que se começássemos por outra ordem, por exemplo, por Machu Picchu, todo e qualquer outro sítio visitado não teria tanta graça).
O nosso City tour em Cusco começou logo pela manhã, às 8:00hs, com o motorista que negociamos no dia anterior. Aqui já é um diferencial, pois geralmente os passeios contratados pelas agências saem pela parte da tarde (e já vi em muitos blogs as pessoas se queixando que acabavam chegando no último sítio quando já estava escurecendo). O motorista nos deu muita liberdade em relação ao tempo, sem fazer nenhuma pressão ou colocar limite nos horários e antes de entrarmos em cada sítio, ele nos fazia uma breve explanação do que íamos encontrar por lá. 
A primeira parada foi em uma parte alta da cidade, em uma região próxima à Sacsayhuaman onde pudemos ter uma vista privilegiada de Cusco, em especial da Plaza de Armas, bem no centro, com seus canteiros verdes se destacando entre as cores marrons dos telhados das casas.
Lá encontramos uma estátua de 8 metros de altura, o Cristo Branco, uma versão pocket do Cristo Redentor (30 metros), erguida em 1945 por um escultor cusquenho.
Seguimos para Tambomachay, o sítio mais distante de Cusco (11 Km) e o  mais alto das 4 ruínas que fazem parte do City tour, podendo atingir a altura de 3765 metros. Já se imagina que dá um pouquinho de trabalho andar por lá.

Tambomachay foi um sítio destinado ao culto à água. Possui diversos aquedutos, canais e cascatas que correm pelas rochas, tendo servido para purificação e também para o descanso do Imperador. 
Após, rumamos para Pukapukara, a 7 km da cidade. Era um sítio militar, com vários muros, escadas  e terrazas, destinados à proteção. Também funcionou como alojamento para pessoas que vinham de fora da cidade.
Qenqo foi nosso próximo destino (6km). Um local destinado à religião, que funcionava com santuário e onde se fazia sacrifícios, principalmente de Lhamas para alcançar desejos. Dentro de uma grande pedra, pudemos observar uma mesa cerimonial, onde era realizado os sacrifícios religiosos.
E finalmente Saqsayhuaman, o maior e mais próximo de Cusco e, na nossa opinião, o sítio mais impressionante. Com paredões de rochas cortadas, polidas e encaixadas perfeitamente, funcionava como uma fortaleza militar. O mais legal é que, apesar de muitos terremotos e da invasão espanhola, hoje ainda podemos encontrar muitas ruínas e muitos paredões conservados. Na verdade só 20% mas é muita coisa que se vê. Imagina em tempos áureos a imensidão do Lugar?
O segredo para esses paredões se manterem erguidos, mesmo a região sofrendo muitos terremotos é que além do que vemos, há 2 m de parede sob o solo e os Incas tiveram o cuidado de colocar rochas esféricas para acompanhar o movimento sísmico, impedindo que as paredes rachem.
Muitas construções Incas, em especial de Saqsayhuaman foram destruídas pelos espanhóis que utilizaram as pedras para impor sua dominação e cultura, construindo igrejas.
olha o Cristo Branco lá no fundo
Atualmente, além de receber muitos turistas todos os dias, também é palco de um festival de culto ao Sol, o Inti Raymi, que ocorre dia 24 de junho, marcando o Solstício de inverno. Atrai muitos Cusquenhos e turistas.
O passeio foi tranquilo e pudemos ver com calma tudo o que queríamos. Levou a manhã toda e chegamos na Plaza de Armas por volta das 14:00 horas. Lógico que depois encontramos sítios muito mais grandiosos (embora Saqsayhuaman já cause muito impacto), mas voltamos muito satisfeito e impressionados, já que a partir daí começamos a aprofundar nosso contato com a cultura Inca. Foi uma bela amostra do que viria pelos próximos dias e só fez aumentar a ansiedade por Machu Picchu.

2 comentários:

  1. E o valor para o tal motorista?Onde o encontraram?Estou querendo ir para peru bolivia e talvez chile via acre em julho..

    ResponderExcluir
  2. Ótimo Blog! mandem mais das aventuras de vcs!

    ResponderExcluir