5.8.12

Mochilão Peru Via Acre: como tudo começou.


A ideia de fazer o Mochilão já existia há algum tempo, porém pesquisamos e vimos que, no momento, era inviável ir de avião à Cuzco ou mesmo à Lima, ainda mais no mês de julho - único período possível para a gente e infelizmente alta temporada no Peru e em boa parte do mundo. O sonho estava paticamente adiado até que uma amiga, a Tatiana Freitas, deu a ideia de chegar à Cuzco pelo Acre. 
Neste momento meus olhos se encheram de esperança e fomos pesquisar. Promoção da TAM para Rio Branco. E o sonho distante voltou a ficar mais perto de virar realidade.

Passagens compradas, começamos a pesquisar roteiros, passeios e a estudar, é claro (não poderíamos ir ao Peru, sem conhecer um pouco da história dos Incas, nem das cidades que planejávamos conhecer. Queríamos aproveitar cada momento). No início, tudo parecia muito complicado e a ideia de fazer um mochilão, nos assustava um pouco, líamos que muitas vezes o mochileiro podia passar fome, frio, dormir na rua, etc e vamos combinar que isso não é nada atraente, certo? Por outro lado, a liberdade de colocar uma mochila nas costas, com poucas coisas e sair pelo mundo, LIVRE, sem estar preso a roteiros, horários certos para acordar, para sair, para estar aqui ou ali, era 15 vezes mais atraente.

Também acrescentamos, que quando você tira um tempo para sentar na frente do computador e planejar o seu próprio roteiro de viagem, você acaba aprendendo bem mais do que se simplesmente tivesse comprado um pacote de viagens e fizessem tudo por você (mas isso é tema para outro post). Podemos dizer que esse período de preparação para o Mochilão já foi um grande aprendizado (sobre geografia, costumes e crenças dos povos, clima da região, gastronomia, etc). E claro, contamos com algumas ajudinhas para construir o nosso roteiro e sobre isso que queremos falar. 

Então para ajudar a quem pretende fazer esta viagem, além de inúmero blogs que vimos na internet (vai colocando as palavras chaves do que você quer que aparece um monte com gente cheia de história para contar - daquelas que você nunca vai ver em nenhum roteiro de viagem e muitas dicas), queremos destacar três fontes de pesquisa que foram fundamentais:

1. Um blog que nos ajudou quase 100% a planejar como chegar à Cuzco por Rio Branco foi o do Tony Marley PeruViaAcre. Ele é ótimo, com dicas atualizadas e o Tony sempre esta disposto a responder as dúvidas dos viajantes. Se pretendes fazer a mesma viagem que a gente, é quase obrigatório dar uma passadinha lá.

2. Guia Visual Folha de São Paulo sobre o Peru. Nele você encontra dicas de como explorar os lugares, telefones úteis, sugestões de lugares para se hospedar e comer, tudo divididinho por faixa de preço e muitas, muitas, muitas fotografias para você já ir se ambientando com o lugar. Na nossa opinião,dá para levar na mochila de mão sem problemas (352 páginas, aproximadamente 500g). Andamos com ele para cima e para baixo no Peru:


                                                     Média de preço na Saraiva: R$83,00

3. Guia Criativo para o Viajante Independente na América do Sul. Como a capa do livro diz, você encontra dicas de viagens para todos os países da América do Sul. Ele é ótimo para quem quer economizar muitos trocados. Dá opção desde táxis à ônibus, desde albergues baratérrimos até hoteis mais confortáveis e caros, fala sobre principais atrações, comes e bebes, onde fazer câmbio, formas de chegar e sair da cidade. Achamos bem útil para começo de planejamento - aquela fase que você esta super perdido, quase pensando em desistir de planejar a viagem por conta própria, porém muito pesado para levar em viagem (ele tem quase 900 páginas!!!) 


                                                     Média de preço na Saraiva:R$ 79,00


Tendo as passagens compradas, as pesquisas feitas, roteiros planejados, era só esperar o dia da viagem. Só???? Ainda tivemos que fazer as reservas nos hotels, comprar os ingressos do trem para Machu Picchu, tirar os passaportes (opção nossa, pois pode circular pelos países pertencentes ao Mercosul apenas com a carteira de identidade), ir atrás de vacina contra febre amarela e o certificado da ANVISA, documento oficial que comprova que fomos vacinados, roupas para suportar um frio que nós paraenses não estamos acostumados e por fim, arrumar as mochilas, que foi uma das partes mais difíceis do planejamento para o mochilão, mas isto falamos em um outro post.

2 comentários:

  1. Bom saber que o Guia O Viajante América do Sul também é bom, eu tenho o da Europa e me ajudou muito também, sempre indico para quem quer ir por conta própria mas não sabe por onde começar.
    Sim, são grandes e pesados, mas quer uma dica? Use o bom e velho xerox! faça cópia das páginas das cidades que lhe interessa e leve junto numa pastinha com os outros docs e reservas! ;-)

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo que vamos fazer, Simone. Pelo menos o guia também fica bem conservadinho em casa, sempre pronto para pesquisa. Quero comprar o da Europa, mas só quando tiver uma viagem mais certa, vai que sai uma versão mais atualizada.... Esse mesmo da América do Sul já precisa de algumas revisões (por exemplo, ele diz que a Star Peru faz vôos de RIo Branco para Peru - e isso não ocorre mais).
    obrigada pela dica ;)

    ResponderExcluir