10.7.12

Santiago: La Chascona – A casa do Pablo Neruda

Pablo Neruda
Aos pés do Cerro San Cristóbal, entre casas coloridas e artes nos muros, no boêmio Bairro Bella Vista, esta localizada a La Chascona, uma das casas do Pablo Neruda, que foi transformada em museu e hoje em dia é aberta para visitação, com visita guiada, com duração de aproximadamente 30 minutos, pela quantia de aproximadamente 3.500 pesos chilenos (preço de janeiro de 2012).
La Chascona, em língua Quíchua, significa "a descabelada" e a casa recebeu esta denominação porque foi o palco do amor secreto entre Neruda e Matilde (a Chascona), sua amante que posteriormente veio a se tornar a 3ª e última esposa do escritor. 
Esta casa, foi adquirida por Neruda no início da década de 50, ficava em um lugar ermo de Santiago, com uma bela vista para a cordilheira dos Andes (a sala da casa tem um janelão, com uma vista fantástica, embora atualmente a região não seja mais erma) e onde passava um canal (hoje aterrado) e se podia ouvir o barulho relaxante da água. Nesta casa, muitos elementos lembram um grande navio e quanta poesia se encontra nela!
Santiago
Infelizmente não se podia fotografar dentro da casa, mas ainda tenho viva na memória muitas partes dela (por vezes me perdia na explicação do guia e ficava imaginando como as pessoas viviam naquele lugar). Fiquei encantada com cada pedaço, com a riqueza dos objetos (sou apaixonada por louças e móveis antigos), lembro dos quadros do Diego Rivera retratando a Matilde e o escritor, das fotografias penduradas nas paredes, da mesa da sala de jantar com teto rebaixado, similar a uma mesa de refeição de um navio, da passagem secreta que tinha na casa, das bonecas russas no quarto do casal, de uma mesa grande de madeira cheia de papeis com poesias escritas a mão, por Neruda, da cama arrumada, da penteadeira da Matilde, com alguns de seus objetos de uso pessoal, da biblioteca, da cadeira que o Neruda sentava para ler seus livros... Ah a biblioteca... Não recordo quantos livros tem lá, mas fico triste ao lembrar que a casa tinha muito mais livros, que foram queimados, quando foi invadida pelos militares, depois do golpe em 1973. Lá também se encontra uma réplica da condecoração do prêmio Nobel recebida pelo escritor. 

Aquele museu um dia teve vida! teve gente de carne e osso vivendo lá, com alegrias, tristezas, sonhos... E quando volto a pensar nisso, bate muita vontade de voltar àquele lugar inspirador, que foi encontrado por nós, meio que por acaso, no nosso primeiro passeio a pé, de "reconhecimento de terreno" em Santiago, no bairro que estávamos hospedados.

O local conta com um café e uma lojinha, na qual pode-se comprar lembranças de Santiago, principalmente relacionada ao Pablo Neruda, mas os preços não são tão incentivadores (não para um casal recém falido depois da festa de casamento), porém ainda compramos uma blusa com uma poesia, marcadores de página de livros e uma petisqueira para usar nos dias das reuniões filosóficas (outras, talvez a maioria delas, nem tanto) com os amigos.

Informações úteis:

- Endereço
Fernando Márquez de la Plata 0192, Barrio Bellavista, Providencia, Santiago.

- Horário de funcionamento
Março a dezembro: terça a domingo, das 10:00 às 18:00horas.
Janeiro e fevereiro: terça a domingo, das 10:00 às 19:00horas.


- Valor: 
3.500 pesos chilenos - inteira
1.500 pesos chilenos - meia entrada
(nós conseguimos pagar meia entrada apresentando nossas carteirinhas de estudante da especialização e residência aqui de Belém. Pensamos que não iam aceitar, mas também pensamos "vai que...". Deu certo!)


*** Além da La Chascona, em Santiago, existe outras duas casas do Pablo Neruda no Chile, aberta para visitação: La Sebastiana, em Valparaíso e outra (a com maior acervo) em Isla Negra. Quero muito conhecê-las.



Texto: Roberta Luz; fotos: arquivo pessoal

Nenhum comentário:

Postar um comentário