28.6.12

A saga para pegar os Vouchers da Viagem

                                                      fonte: foto retirada da internet

Nossa viagem começou saindo de Belém para São Paulo. Infelizmente praticamente não existe voo internacional saindo daqui, então compramos o pacote com saída de São Paulo e usamos milhas para comprar as passagens Belém - São Paulo.



Como falei no post anterior, compramos um pacote da viagem de uma empresa de turismo. Compramos no final de outubro, para viajar no dia 22 de janeiro. E nos disseram que entregariam no início de janeiro, lá pelo dia 5, os vouchers da viagem. Confiamos, pagamos e voltamos para a casa felizes e tranquilos, com mil planos para a lua-de-mel.


Chegando Janeiro, começaram os problemas. Fomos à empresa na data que tinham dito que os vouchers da viagem estariam disponíveis. Chegando lá... nada! Mandaram-nos voltar outro dia. Voltamos e... nada! Falaram que tal dia da próxima semana certamente já estaria disponível. Chegou o dia que disseram para irmos buscar e acabamos nem indo, com receio de chegar lá e falarem para voltarmos outro dia. Então fomos dois dias depois do que eles garantiram que estariam disponíveis e para nossa surpresa, não tinham os nossos vouchers! (oi???? Viagem merecida de lua-de-mel e não têm os nossos vouchers????). Imagina o estresse, mandaram a gente voltar no dia seguinte, jurando de pés juntos que nossos vouchers estariam disponíveis. Porém, nós PRECISÁVAMOS dos vouchers naquele mesmo dia, pois nosso voo para São Paulo sairia a noite.


Então começaram a fazer ligações para a sede da empresa em São Paulo, falaram que isso não costumava acontecer (uhm-hum) e blablabla... e no fim das contas, depois de conversar, explicar, algumas situações de tensão,o vendedor, com um sorriso amarelo, sugeriu que a gente fosse buscar os vouchers da viagem na empresa lá em São Paulo no dia seguinte (oiii de novo?????). Ficamos impressionados com a facilidade da venda e com a dificuldade para receber o produto. Só gente esperta nesse mundo! Fico indignada só de lembrar. Lógico que não aceitamos e dissemos que só sairíamos da loja com os vouchers em mãos.  Mais ligações, sorrisos amarelos, vendedor suando frio, e um chá de cadeira de mais de uma hora, finalmente conseguiram os tais vouchers. Perdemos uma manhã por isso. Como algo que seria tão simples, que nos venderam tão fácil, pôde se tornar tão complicado?

A partir deste momento, começamos a nos questionar se fazer viagem por pacote seria realmente uma boa ideia. Estávamos em lua-de-mel, queríamos ter tudo nas mãos, só conforto, nada de trabalho, nem de roubadas que pode acontecer quando as pessoas viajam por conta própria, além de ser uma viagem para outro país, com outra língua, costumes etc. Era isso que pensávamos.




                                         Finalmente antes de embarcar para São Paulo com tudo
                                          resolvido. Obs. A empresa a qual nos referimos não tem
                                          nada a ver com a TAM. Compramos as passagens para 
                                          Sp com milhas.

Só que, além do parto para pegar os vouchers, durante a viagem, ao longo dos dias começamos a nos sentir sufocados pelos programas meio que “impostos” pela empresa e tentávamos fugir ao máximo. Acredito que nossa lua-de-mel foi mais maravilhosa justamente por isso, por fugir dos programas “pega dinheiro” de turista. Acredito que se tivéssemos feito tudo como estava programado, não teríamos voltado tão empolgados e com vontade de planejar novas viagens (dessa vez,  bem livre, sem pacote) Mas isso é tema para outros posts.

Novo começo



Depois de tempos sonhando e tomando coragem para criar o blog, depois do tão esperado (por mim) primeiro post, ele ficou entregue as baratas. É que tenho lido muitos blogs sobre viagens, de viajantes independentes e fiquei meio desestimulada a escrever sobre a viagem que fizemos de lua-de-mel ao Chile e Argentina, porque fomos por pacote turístico e participamos de alguns programas de “pega dinheiro de turista”, propostos pela empresa. Mas como há 2 meses começamos a planejar um mochilão pelo Peru, tudo por conta própria, achamos que seria interessante relatar as duas experiências de viagens: uma por pacote turístico e outra sem. Então, vamos dar vida ao blog e voltemos aos posts!